PlayPen | Ecj realiza 11ª Bienal de Artes com apresentação de trabalhos artísticos e oficinas

No próximo dia 11 de dezembro acontece a 11ª   edição da Bienal de Artes PlayPen | ECJ. Com uma proposta mais analítica, a edição deste ano traz, em sua concepção, a reflexão sobre assuntos contemporâneos a partir das proposições feitas pelo filósofo indígena, Ailton Krenak, em seu livro “Ideias para adiar o fim do mundo”. O evento é aberto a toda comunidade escolar e organizado pela PlayPen | ECJ, escola que é mais do que referência em ensino bilíngue da Educação Infantil ao Ensino Médio e que se consagrou como uma escola global, ou seja, com currículo brasileiro integrado ao internacional.

Durante o evento, os alunos apresentarão os trabalhos artísticos desenvolvidos em conjunto com os professores ao longo do ano letivo. “A Bienal de Artes PlayPen | ECJ é um dos eventos mais tradicionais da escola e visa promover maior interação e troca de conhecimento entre a comunidade escolar. No decorrer dos últimos meses, os estudantes realizaram diversas atividades reflexivas e, inspirados por Krenak, eles foram estimulados a pensarem o mundo a partir de perspectivas possíveis, buscando criar caminhos para o futuro”, explica o Diretor Geral da escola, Sean Quinn.

A atenção dada à arte na educação é um dos pilares culturais da escola, que compreende a arte como indispensável no ambiente escolar para estimular os estudantes a desenvolverem um pensamento criativo. “A produção desses projetos artísticos ao longo do semestre contribui enormemente para a formação social dos alunos, potencializando habilidades de reflexão, crítica e resiliência”, afirma.

Com uma programação cultural diversa, a bienal contará com várias atividades em que os pais poderão participar ativamente, como as oficinas de conhecimento que serão realizadas pelos professores e alunos, como a “Máquina de emaranhar paisagens”. Mediada pelos alunos do 9º ano, a atividade interativa faz referência ao livro homônimo do escritor português Herberto Helder e tem como objetivo proporcionar um processo poético em que se utiliza textos alheios como inspiração para criar textos próprios. Outras instalações artísticas como o “Chão de sonhos” e “Sopro de verso no olhar” também serão desenvolvidas no dia.

“Todas essas atividades podem ser acompanhadas tanto pelos responsáveis quanto pelas crianças. Essa interação maior entre todos é um dos pontos altos do evento, em conjunto à troca de experiências”, explica Sean. A Bienal de Artes PlayPen | ECJ contará, ainda, com a participação de uma artista grafiteira, que irá realizar uma demonstração do seu trabalho em um determinado espaço da escola ao vivo para os participantes.

Esse ano, o evento já contou com o projeto Música para Respirar 24/7, idealizado pela Sociedade Boliviana de Música de Câmara, criado em 2020 com o objetivo de levar música para as pessoas durante a pandemia do coronavírus e também com o projeto Inflou, que realiza estruturas infláveis nas áreas de arquitetura, arte e educação.

Com uma programação cultural cheia de atividades, o evento celebrará também os 40 anos de história da escola que é pioneira no ensino bilíngue no país. “Somos referência na produção de conhecimento e a realização anual da Bienal de Artes PlayPen | ECJ para troca de experiências e ideias reforça o nosso compromisso com a educação”, conclui Sean.

Clique aqui para ler a matéria no site do Giro Morumbi.